quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Subiram ontem ao Monte Sinai

Subiram ontem ao Monte Sinai. Nós ajudamo-los a subirem através do nosso precioso voto. Vão a partir d’amanha começar a desfrutar de leite e mel na Terra Prometida. Vão molhar-nos com água suja que escorre nas estradas esburacadas que compõem a fisionomia das nossas cidades, vilas e aldeias. Nas cidades vamos, pelo menos, ter acesso a esses homens escolhidos pelo Deus de Abraão, de Isaac e de David. Nas vilas algumas vezes, principalmente quando para lá forem pescar algum valor de ajuda de custo e testarem a potência dos seus 4WD que o nosso imposto comprou e que, o nosso voto, naquele 28 de Outubro escaldante, carimbou o passaporte destes ao paraíso dos salários e mordomias exorbitantes.
Foi bom termos ajudados mais alguns e a cimentar outros nesta luta de Combate a Pobreza Absoluta! Só lamento o facto não conhecer quem me representa. A nossa lei eleitoral goza com o exercício de cidadania ao permitir que um deputado natural de Maputo represente o círculo eleitoral de Cabo Delgado, o de Tete represente a Província de Maputo ou Zambézia; o de Nampula represente Gaza, o de Cabo Delgado represente Inhambane e os dessas regiões representem Sofala, Lichinga e por aí em diante. Consequência: esses ditos representantes do povo ficam alheios às realidades dessas zonas e não conseguem comunicar perfeitamente com o povo a quem julgam representar. Não nos esqueçamos que a metade da população moçambicana é literalmente analfabeta e 99% dos 20,2 milhões de moçambicanos são politicamente analfabetos.
Perante esta realidade não há nada que fazer enquanto a lei eleitoral não for revista no sentido de acabar com o sistema proporcional de lista. Bihale apenas exige a esses filhos bem-aventurados chamados deputados exijam aos membros do Governo (igualmente por nós escolhidos) a construirem as escolas que prometeram aos meus irmãos; a criarem o emprego que prometeram a todos jovens que serviram de escadas rolantes para o cimo dos salários auferidos no Jardim da 24 de Julho, nosso Parlamento e no Cais (nosso Governo); a abrirem os furos de água para a minha mãe porque ela também votou e “votou bem”, que a estradas, as fábricas, as pontes, os hospitais que prometeram sejam construídos, que tragam maquinarias e insumos agrícolas para a minha mãe camponesa aumentar a sua área de cultivo e eliminar a fome, tal como lhe prometeram.
Por fim, pedir que esses “representantes” que visitem os locais onde cinicamente pisaram aquando da caça ao voto. Tenho a certeza de que aquela população indigente a quem prometeram reabilitá-la estará a sua espera.

28 comentários:

Anónimo disse...

Sabes Bihale, lamentavelmente pertences a uma minoria muito ínfima de compatriotas que estao de facto interessados em desenvolver o país... é muito triste isso, mas é uma grande verdade.

A pergunta é: a quem interessa desenvolver Mocambique???

Jorge Saiete disse...

Bihale,
Essa estoria de elegermos listas é complicada mas, me parece que, para a nossa realidade seja melhor do que elegermos MP`s one by one. Alguns paises, pobres como nós, que adoptaram a eleição directa dos MP`s chegaram a triste conclusão de que, um bando de burgueses usavam os seus muitos recursos para comprar a mente do pacato eleitor pobre ou empobrecido para assegurarem um lugar na AR e no fim do dia a AR, se tornava num clube da burguesia onde esses se acomodavam para defenderem seus caprichos. Aliás, este foi um dos argumento que sustentou a recusa a privatização da terra em Moçambique.
Certamente que, a nossa forma de eleição dos deputados pouco ajuda mas me parece, mesmo assim, razoavel, pelos menos, enquanto não atingirmos o estagio em que as pessoas deixam de olhar para politica como instrumento de resolver ou facilitar cada vez mais seus assuntos privados.

Domingos Bihale disse...

" a quem interessa desenvolver Mocambique?". Este e um TPC para mim. Vou reflectir para tentar perceber bem este assunto complicado.

Meu caro amigo Saiete,

O Malawi aqui na nossa varanda e por sinal mais pobre que nos adoptou o sistema de lista e funciona. Permite eleger deputados que paralizam as accoes quando tal for necessario a favor da legalidade. Por outro lado, o sistema permite que se tenha um parlamento amplamente representativo e multipolar. Para alem dos candidatos pelos partidos, este sistema permite ate a eleicao de deputados independentes que, sobremaneira, ajudam a contrabalancar o "Amen" dos deputados do partido no poder. Eleger um deputado "burgues" Saite, e melhor que ter um depiutado "abutre" escolhido e imposto pelo partido. Obrigado por terem manifestado.

Anónimo disse...

Ilustre, difinitivamente, a agora ja esta nas veias. Parabens!

O patriota disse...

Ora viva meu Caro!
Grande abordagem. ate logo.

AGRY disse...

A frontalidade e a aparente displicência como analisa um assunto tão sério, captura argumentos aos mais desprevenidos. Gostei imenso desta sua postagem. Escrever, e bem, sobre coisas sérias como quem contempla o pôr-de-sol é algo que não está ao alcance de todos
Abraço

Domingos Bihale disse...

Obrigado ilustre. Vocemece fez de mim o sou hoje. Obrigado ilustre. PS: Continuo nao concordando com o seu anonimato. Politica de Avestruz ilustre. Agorista deve dar a cara. Ora viva. E um ( .Estas livre de aparecer como quiseres aqui no Manifesto. Abraco

Domingos Bihale disse...

(Com)PATRIOTA, obrigado por teres visitado o Manifesto. VIVA, VAVA

Domingos Bihale disse...

AGRY, Mocambique deve mudar e mudar para o melhor. Cada um de nos e parte dessa corrente de mudanca. Humildemente agradeco-te pela visita. Que mais? Nada... "O QUE ME PREOCUPA NAO E O GRITO DOS MAUS, MAS SIM O SILENCIO DOS BONS".Martin Luther King Jr. Dai a coragem de dizer coisas pelos nomes. vamos Manifestar

Anónimo disse...

O que passa è que os bons tem "problemas estomacais" e por isso se acovardam e vendem o pais por 50 moedas de ouro como Judas ao Filho do Homen.

Feliciano Augusto

Reflectindo disse...

Sempre com vontade de comentar neste e noutros temas, mas o tempo???. O da formatação nas universidades públicas, fica sem o meu desabafo?

Indo a este assunto, é de questionar de facto se já temos deputados para servirem o eleitorado. Eu duvido. Passado agora um mês e meio depois das eleicões podemos até dizer que já esqueceram do povo e do eleitor, possívelmente que alguns estejam contraindo dívidas nas barracas das suas terras a contar com o alto salário que vão ter a partir de Fevereiro.
Mesmo aqueles que andavas com bandeiras deste e daquele partido, ou com pedras nos bolsos para arremessar contra o adversário do seu partido, devem ter sido esquecidos e serão recordados em 2013 quando de novo serão precisados para o mesmo efeito.
A coisa fica realmente complicada, porque raramente o deputado se encontrará com o seu eleitor ou o entusiasta do seu partido e se encontrar, será em correrias, aliado às dificuldades de comunicacão, fica-se sem prestacão de contas nem exigências. Daí uma prova de que a nossa lei eleitoral goza com o exercício de cidadania.
Definitivamente, não concordo com o modelo actual de eleição de deputados, que só é por lista e não menos a representacão de deputados em círculos onde não podem se comunicar com os eleitores e nem conhecem a realidade.
Na verdade, podemos começar a questionar o objectivo da proporcionalidade de deputados por círculo eleitor, pois o grande risco, é que muitos dos representantes dum círculo eleitoral venham de outros e nas contas totais (250 deputados) os deputados provenientes dum círculo eleitoral pode exceder o previsto.
Imaginemos, Nampula deve eleger 46 deputados, representando assim 18,4% do total. Mas o círculo de Nampula, por intermédio dos partidos enviar muitos nampulenses para se candidatarem noutros círculos e este receber menos elegíveis doutros, pode ser que no concreto Nampula possa ter mais deputados do que os previstos. Para mim, foram do tempo que o deputado está nas sessões ou nas comissões parlamentares, o deputado tem mais contactos com o eleitor lá onde ele tem residência e vive com a família, portanto, não aquele que vive num quarto dum hotel.

Será que isto é provável que aconteça? Penso que sim e há mesmo esse perigo se não tomarmos atenção. Segundo a imprensa, nas candidaturas para as eleições de 28 de Outubro, o PLD teve a maioria dos candidatos se não forem todos os candidatos, os desmobilizados de guerra, nomeadamente Casa Militar (um outro problema) residentes em Maputo e há quem pensa que muitos eram de Chiúre, em Cabo Delgado. Apesar de todas as dificuldades, o PLD conseguiu deste modo passar em nove círculos eleitorais. Aqui, para além da ajuda da CNE, conta-se a facilidade de aquisição dos documentos exigidos para a candidatura. Por outro lado, com ajuda da CNE, o UDM conseguiu candidatar-se pelo círculo de Sofala, transferindo candidaturas com documentos completos de um outro círculo...
Estes casos poderão servir de modelo para alguns partidos nas próximas eleições com o perigo de alterar o mapa eleitoral.
Não estou questionar originalidade aqui, mas residência, comunicação e conhecimento da realidade do deputado.
Um outro aspecto que me aflige, recordado nesta postagem, é o facto de implicitamente, o deputado ser proibido de falar dos problemas do seu círculo eleitoral. Tenho notado que todos os deputados são permitidos e encorajados a elogiar e saudar os seus círculos eleitorais nas sessões da AR, mas logo que um começar a falar dos problemas do seu, é vaiado, considerando-se regionalista, tribalista e outros nomes que convém ao grupo que o vaia. Será este o melhor caminho para desenvolver Moçambique?

Abraços

Domingos Bihale disse...

Reflectindo:

Estamos num sistema copiado e mal impalnatado em Mocambique. A saude da nossa democracia depende excessivamente desse sistema eleitoral. Por isso, continuaremos a sermos "representados" por deputados que nem se quer os conhecemos. Isto e agravado pelo que Reflectido disse " [o]facto de implicitamente, o deputado ser proibido de falar dos problemas do seu círculo eleitoral". Mas aqui levanta-se uma outra questao. SEU CIRCULO ELEITORAL ou circulo eleitoral atraves do qual foi seleccionado pelo Partido antraves da lista?

Vamos REFLECTINDO, Vamos Manifestar

Anónimo disse...

Eu gostaria de manifestar-me sobre a pergunta no 1° post: A QUEM INTERESSA DESENVOLVER MOCAMBIQUE???

Na verdade, segundo a minha análise singela, nem a comunidade internacional, nem ao ocidente ou oriente, muito menos aos nossos lideres corruptos interessa desenvolver o país... senao vejamos:

1. Á comunidade internacional nao interessa "romper o ciclo da pobreza" porque nem todos nós podemos ser países evoluídos e organizados como Suecia, Japao, etc... porque sempre devem existir "os pobres para serem explorados"...

A comunidade internacional é a financiadora de vários projectos de desenvolvimento, como construcacao de infrastruturas, erradicacao do analfabetismo, mortalidade infantil, combate ao SIDA e outras doencas, que como se pode provar os fundos alocados nao sao usados para os fins devidos, perpetuando a condicao que vivemos, sob auspicio da comunidade internacional, porque nao faz a devida auditoria e implementa medidas sempre que verifica irregularidades. A mesma comunidade internacional que se diz "transparente, democratica, respeitadora dos direitos humanos, etc..." é a mesma que se alia a líderes africanos corruptos e de vez em quando finge pedir contas de montantes alocados que foram conjuntamente desviados. Na verdade, eu nao culpo a comunidade internacional, porque nao podemos "responsabilizar-lhes das nossas irresponsabilidades".

2. Aos nossos líderes "corruptos", que lamentavelmente existem em toda a África, facto que me levou a pensar que talvez o problema é genético (do homem negro), nao lhes interessa desenvolver o país como é o caso específico dos líderes mocambicanos, porque um povo educado tem a capacidade de elegir melhor seus líderes, facto que acabaria "virando-se contra eles".

3. Finalmente, apenas ao nacional, principalmente aos de classe baixa-baixa, media-baixa que lamentavelmente somos a maioria, aos que foram negados o acesso a educacao, a cuidados de saúde, a possibilidade de um emprego dignificante, a nós interessa desenvolver o país. Porém este facto se verifica impossível porque nao temos capacidade de accao num país de analfabetos e corruptos...

Basilio Muhate disse...

A QUEM INTERESSA DESENVOLVER MOCAMBIQUE???

Será mesmo que ninguem está interessado em desenvolver Moçambique ? Eu penso que há muita gente interessada, mas também muita outra gente completamente desinteressada. O desafio é puxarmos os desinteressados, que já foram aqui citados, para o lado positivo.

Por mais que mudemos mil leis eleitorais, ou que alteremos dez mil sistemas democráticos, ou que todos tenham espaço para ser deputados numa Assembleia Popular, SE NÃO MUDAMOS A NOSSA MENTALIDADE NADA MUDA.

Alguns tem estado a falar de AUTO-ESTIMA, CULTURA DE TRABALHO, EMPREENDEDORISMO, COMBATE À POBREZA, mas muitos ainda não conseguiram, volvidos todos estes anos, perceber o alcance destes termos, limitam-se a politizar e a partidarizar o desenvolvimento do país.

Anónimo disse...

O problema é que estao todos ocupados a roubar! Rouba o director, rouba a secretária, rouba o ministro, rouba o médico, deputado, professor e contínuo... rouba o cooperante, o policia, rouba o administrador, rouba o imigrante ilegal!!! Conta tantos ladroes assim nao é possível desenvolver o país. A corrupcao é um sintoma de atraso no desenvolvimento económico dum país e típico de 3° mundo, mas no nosso caso é ainda pior: temos a pequena e a grande corrupcao juntos. Assim nao é possível fazer nada.

Os topicos do Muhate como auto-estima, empreendedorismo, cultura de trabalho, combate a corrupcao, etc... nao tem eco numa sociedade de ladroes e analfabetos onde alguns "académicos" usam seu conhecimento para roubar mais e o jovem estudante aspira terminar um curso, trabalhar para o Estado e "roubar a valer"...

Feliciano Augusto

Basilio Muhate disse...

Feliciano, soluicoes

Anónimo disse...

Basilio...

Nenhum pais se desenvolve com os níveis de corrupcao como os nossos! Pequena e grande corrupcao juntas.

A unica solucao é purgar a sociedade desses anti-sociais. Primeiro combater o analfabetismo, porque essa é a causa raiz de todos os nossos males, depois instaurar leis de combate a corrupcao, mas leis reais, nao a palhacada que se ve agora, onde magistrados afirmam que "necessitam treinamento especial para combater a corrupcao", como se a corrupcao e honestidade andassem muito ligados que a sua separacao fosse muito dificil...

Para tal é necessario um trabalho árduo de todos compatriotas, com diferentes visoes, filiacoes e orientacoes, mas todos comprometidos em "desenvolver o país", nao limitar-se a desenvolver-se a sí mesmo roubando a seus compatriotas e tornar-se o mais rico entre os mais pobres, mas ser sempre o mais pobre entre os ricos.

Feliciano Augusto

Basilio Muhate disse...

Feliciano

Discurso muito politizado. O que se pretende e que o gap entre crescimento econbomico e reducao de pobreza diminua.

Domingos Bihale disse...

"O problema é que estao todos ocupados a roubar! Rouba o director, rouba a secretária, rouba o ministro, rouba o médico, deputado, professor e contínuo... rouba o cooperante, o policia, rouba o administrador, rouba o imigrante ilegal!!! Conta tantos ladroes assim nao é possível desenvolver o país. A corrupcao é um sintoma de atraso no desenvolvimento económico dum país e típico de 3° mundo, mas no nosso caso é ainda pior: temos a pequena e a grande corrupcao juntos. Assim nao é possível fazer nada" viva O Manifesto de Feliciano.

"Por mais que mudemos mil leis eleitorais, ou que alteremos dez mil sistemas democráticos, ou que todos tenham espaço para ser deputados numa Assembleia Popular, SE NÃO MUDAMOS A NOSSA MENTALIDADE NADA MUDA". Muhate, Vamos manifestando assim dessa forma

Basilio Muhate disse...

Bihale

Certo, combater a corrupção e mudar de mentalidade. Todos nós escrevemos linhas sobre isso todos os dias.
Sejamos mais agressivos e começemos a pensar em como é que a nossa massa crítica pode ser transformada em recursos económicos.

Anónimo disse...

Muhate,

Como voce vai ser agressivo com 53% de analfabetos??? Vai perpetuar leis que só prejudicam ao pilha-galinhas!!! Aos criminosos públicos e privados, como os que roubam 200 milhoes de dólares aos pais, ou os que usam 27 milhoes de dolares em aluguer de helicoptero para campanha eleitoral, verba que sai dos cofres do estado (que somos todos nós) e que poderia ser usado para construir escola, hospitais, estradas e pontes, a esses nada vai passar-lhes.

Acho que devemos voltar ao Samorismo onde se fuzilavam os ladroes. É a purga mais rapida e eficaz...

Basilio Muhate disse...

Anonimo

A luta continua

Anónimo disse...

A luta continua!!! Venceremos... o analfabetismo, o candonguismo, a pobreza absoluta, a falta de honestidade e moral na sociedade, a roubalheira desenfreada dos nossos dirigentes!!!

Anónimo disse...

Agora o ocidente esta ameacando "retirar a ajuda economica voluntaria", ou seja os PAPs estao de novo fazendo o seu teatro para conseguir mais concessoes e ajudar a prevalecer a pobreza absoluta em Mocambique...

Mocambicano olha o teu caminho... mocambicano, veja o teu caminho!!!

Feliciano Augusto

Reflectindo disse...

O debate continua. É muito bom.

Boas preocupacões essas do Feliciano. Na verdade, nenhum país se desenvolve com tanta ladroagem como no nosso. Há que continuar/mos assim.

Basílio, concordo que o mais importante é mudanca de mentalidade. Mas como se poderá operar essa mudanca de mentalidade? Achas, por exemplo que numa escola onde o director pega nos exames e vende pode-se mudar alguma mentalidade? Quais são as razões de risistência à mudanca de mentalidade?

Penso que a questão de mudanca de leis eleitorais não é para todos serem deputados, mas que todos sejam representados pelos deputados nem que fossem apenas 100. Se não estou em erro, a razão da existência da Assembleia da República é ter lá cidadãos que representam todos os que lá não estão. Não será?

Feliz Ano Novo a todos

Isaac Mundiara disse...

....custo-me muito....
....dizem que falo em parabolas como Crito, mas hoje nao e essa minha intencao...

Estava eu sentado alguires na praia do Tofo...quando de entre meus segredos do estado, achei teu/nosso manifesto....

...e bom assim...
Frederick Douglass ja havia dito `sem esforços não há progresso!`...temos que nos esforçar a pensar bem, mais bem mesmo....
Akhulu!....
Aqui o homem de consciencia politica (Isac Mundiara)

Isaac Mundiara disse...

....custou-me muito....
....dizem que falo em parabolas como Cristo, mas hoje nao e essa minha intencao...

Estava eu sentado alguires na praia do Tofo...quando de entre meus segredos do estado, achei teu/nosso manifesto....

...e bom assim...
Frederick Douglass ja havia dito `sem esforços não há progresso!`...temos que nos esforçar a pensar bem, mais bem mesmo....
Akhulu!....
Aqui o homem de consciencia politica (Isac Mundiara)

Isaac Mundiara disse...

....custou-me muito....
....dizem que falo em parabolas como Cristo, mas hoje nao e essa minha intencao...

Estava eu sentado algures na praia do Tofo...quando de entre meus segredos do estado, achei teu/nosso manifesto....Monte Sinai...

...e bom assim...
Frederick Douglass ja havia dito `sem esforços não há progresso!`...temos que nos esforçar a pensar bem, mais bem mesmo....
Akhulu!....
Aqui o homem de consciencia politica (Isac Mundiara)